terça-feira, 5 de Fevereiro de 2008

Recursos estético-estilísticos



Ficha Informativa

Objectivo: conhecer as figuras de estilo utilizadas em língua e literatura portuguesa.

NÍVEL FÓNICO (= dos sons)

Dentro do nível fónico temos de considerar recursos estilísticos que não são propriamente figuras de estilo, como é o caso da rima e da onomatopeia.

Aliteração — Processo que consiste na repetição intencional dos mesmos sons consonânticos:
Brandas, as brisas brincam nas flâmulas, teu sorriso...

Fernando Pessoa, Poesias

Assonância — Processo que consiste na repetição intencional dos mesmos sons vocálicos:
E o surdo ruído lúgubre aumentara Quebrando esse fantástico silêncio

Teixeira de Pascoais, Regresso ao Paraíso

Nota: Em muitos casos, a repetição intencional dos sons consonânticos e vocálicos é simultânea, o que pode ver-se claramente neste exemplo:

Aqui moro Aqui morro Aqui monstros me rodeiam de arame farpado

David Mourão-Ferreira, "Fossos," in Ode à Música

Rima — Processo que consiste na correspondência de sons em lugares determinados dos versos. A rima é, na realidade, uma espécie de assonância:

Falam por mim os plátanos da rua:
Deixam cair as folhas amarelas,
E ficam hirtos na friagem nua
Como mastros sem velas.
Miguel Torga, Diário II

Onomatopeia — consiste na imitação da voz (de pessoa ou animal) ou do ruído de um objecto. A onomatopeia pode ser usada, muito intencionalmente, como recurso estilístico e pode aparecer associada a figuras de estilo:

Sino de Belém, pêlos que inda vêm!
Sino de Belém bate bem-bem-bem.
Sino da Paixão, pêlos que lá vão!
Sino da Paixão bate bão-bão-bão.

Manuel Bandeira, O Ritmo Dissoluto

2
NÍVEL SINTÁCTICO (= da sintaxe)

Assíndeto — Consiste na supressão dos elementos de ligação entre palavras ou frases sucessivas (com frequência, aparece suprimida a conjunção copulativa e):

Chamou os filhos, falou de coisas imediatas, procurou interessá-los.

Graciliano Ramos, Vidas Secas

Elipse — Consiste na omissão de uma palavra ou palavras (ou até de uma frase) que se subentende(m) com maior ou menor facilidade. É frequente na linguagem falada.

— Como tem passado?
— Muito mal.

Fernando Namora, Retalhos da Vida de um Médico

("Muito mal", abreviando a frase: "Tenho passado muito mal.")

Polissíndeto — Consiste na repetição dos elementos de ligação entre palavras ou frases coordenadas.

Ora, há dez anos, neste chão de lava
E argila e areia e aluviões dispersas,
Entre espécies botânicas diversas,
Forte, a nossa família radiava!

Cesário Verde, O Livro de Cesárío Verde

Anáfora — Consiste na repetição de uma palavra ou palavras no início de versos ou frases sucessivos.

Inútil definir este animal aflito.
Nem palavras,
nem cinzéis,
nem acordes,
nem pincéis,
são gargantas deste grito.

António Gedeão, Movimento Perpétuo

Epífora ou epístrofe — Consiste na repetição de uma palavra ou palavras no fim de versos ou frases sucessivos.

Faróis distantes...
A vida de nada serve...
Pensar na vida de nada serve...
Pensar de pensar na vida de nada serve...

Álvaro de Campos, "Ode marítima", in Poesias

Epanadiplose — Consiste na repetição de uma palavra ou palavras no início e no fim de uma frase ou de um verso.

— Apagaste a candeia? apagaste?
— Meu amor, apaguei.
— E fechaste o postigo? fechaste?
— Meu amor... sim, fechei.

José Régio, As Encruzilhadas de Deus
3
Como pretexto, da educação da menina, ou de alimentos, já nos tinha importunado...
Escrúpulos não tem ela.

Eça de Queirós, Os Ma/as (Ela não tem escrúpulos —> Escrúpulos não tem ela.)

Epizeuxe ou reduplicação — Consiste na repetição imediata de uma palavra ou palavras no verso ou frase.

Horas, horas sem fim
pesadas, fundas, esperarei por ti.

Eugênio de Andrade, As Mãos e os Frutos

Paralelismo — Consiste na repetição da mesma estrutura frásica.
A tua linda voz de água corrente

Ensinou-me a cantar... e essa canção
Foi ritmo nos meus versos de paixão,
Foi graça no meu peito de descrente.

Florbela Espanca, Charneca em Flor

Enumeração — Consiste na apresentação sucessiva de vários elementos. O último, ou o primeiro, pode ser uma palavra que os sintetiza a todos.

Professor, médico, comerciante, todos se vendiam.

Fernando Namora, A Noite e a Madrugada

Gradação — Consiste na apresentação de vários elementos segundo uma ordem crescente ou decrescente.

É a guerra aquela tempestade terrestre que leva os campos, as casas, as vilas, os castelos, as cidades, e (...)
sorve os reinos e monarquias inteiras.

P. António Vieira, Sermões

Pleonasmo — Consiste no emprego de uma palavra ou palavras que reforçam uma ideia que já está expressa.

— Isto é de mando da pessoa que nós sabemos? — tornou ele, acenando para o cesto.
— Saiba vomecê que sim.
— Entre cá para dentro.

Aquilino Ribeiro, Terras do Demo

O que me deu a mim alento e esperança (...)

Camilo, Novelas do Minho

Nota: O pleonasmo é frequente na linguagem falada, em frases como: "Entre cá para dentro!", "Desce daí abaixo!", etc., e é próprio de uma linguagem expressiva, mas não se pode abusar do seu uso despropositado.

Anacoluto — Consiste num desvio na construção da frase, por ser mudada a concordância inicial.

Estes velhos palácios, quase abandonados, olho-os sempre, de longe (...)

Branquinho da Fonseca, O Barão

Hipérbato ou inversão — Consiste na alteração da ordem directa das palavras na frase.
4
Laura traz hoje uma saia que lhe fica muito bem. São elegantes estas saias.

Mário Dionísio, O Dia Cinzento e Outros Contos (Estas saias são elegantes —> São elegantes estas saias.)

Nota: Um caso particular de hipérbato é a disjunção, que consiste na intercalação de uma palavra ou expressão, separando elementos de um mesmo grupo:

Já no batel entrou do Capitão.

Camões, Os Lusíadas, II, 101

Quiasmo — Consiste na existência de quatro elementos dispostos dois a dois, segundo uma estrutura cruzada.

(Deriva da letra grega qui: %.)

Deixa aos tímidos, deixa aos sonhadores,
A esperança vã, seus vãos fulgores...

Antero de Quental, Sonetos

esperança vã
vãos fulgores

(NÍVEL SEMÂNTICO (= dos sentidos)

Comparação — Consiste em estabelecer uma relação de semelhança através de uma palavra ou expressão comparativa ou de verbos a ela equivalentes (parecer, lembrar, sugerir, etc.).

A noite descia,
Como um cortinado,
Sobre a erva fria
Do campo orvalhado.
Carlos Queirós, Desaparecido
E a Lua lembra o circo e os jogos malabares.

Cesário Verde, O Livro de Cesário Verde

Metáfora — É uma espécie de comparação abreviada, pois deu-se o desaparecimento da palavra ou expressão comparativa. Existe assim um certo efeito de surpresa, porque a palavra passa a ter, no contexto, um significado que vai mais além do que o que lhe é habitual.

A vazante atinge o seu máximo. A casa é uma concha abandonada pela maré.
Luísa Dacosta, A-ver-o-mar
Fios de sol escorriam de uma azinheira perto da estrada.

Vergílio Ferreira, Aparição
5
De novo o rio começara a vazar. Todas as veias da selva levavam as suas águas denegridas ao caudal
barrento, que ia emagrecendo dia a dia.

Ferreira de Castro, A Selva

Imagem — Consiste no recurso a aspectos sensoriais para, a partir daí, provocar uma forte evocação afectiva e os seus consequentes efeitos sugestivos e emocionais.

Os teus olhos são dois lagos encantados onde o céu se mira como num espelho!

Érico Veríssimo, Clarissa
Vejo a verdade naufragar, imersa Nas palavras que correm como um rio.

Carlos Queirós, Desaparecido

Nota: A imagem inclui, frequentemente, várias figuras que resultam de processos de analogia ou equivalência: comparação, metáfora, personificação, etc.
Em sentido mais geral, consideram-se imagens cada uma dessas figuras.

Alegoria — Consiste num encadeamento de comparações ou metáforas em que um conceito abstracto é corporizado, por assimilação a um termo metafórico concreto.

Os dias da nossa idade, ou seja curta ou comprida, são como as marés, que ora enchem, ora vazam: enchem nos rios da vida, vazam no mar da morte. O que importa é fazermos neles boa viagem e chegar a deitar âncoras no porto da salvação.

Frei António das Chagas, Cartas Espirituais

Personificação — Consiste em atribuir características próprias de pessoas, a animais, coisas ou ideias.

O vento soluça e geme (...)

António Nobre, Só

O mar, farto do vento sul que o esguedelha e irrita, espoja-se raivoso.

José Loureiro Botas, Frente ao Mar

Animismo — Consiste em atribuir vida a seres inanimados. (Difere da personificação porque, no animismo, os seres não são elevados à categoria de pessoas.)

A luz do farol ia mordendo os troncos, engolfando-se nos desvãos e criando inesperadas abóbodas.

Ferreira de Castro, A Selva

Com a mão esquerda, segura a ponta do avental, que forma um bojo fofo onde o farelo e os grãos de milho se aninham.

Érico Veríssimo, Clarissa

Perífrase — Consiste em designar alguém ou alguma realidade, não pelos termos habituais, mas de um modo descritivo e, por isso, mais desenvolvido e enfático.

Desceu finalmente o pano sobre esse pesadelo com bichos de aço (...) e cidades a arder.

José Gomes-Ferreira, O Mundo dos Outros

(Significando: "Acabou finalmente a guerra.")

Por vezes, a perífrase, associada ao eufemismo (ver este recurso expressivo) tem como objectivo dissimular ou atenuar uma realidade desagradável:

Três dias gastou a morte em acabar esta empresa.

D. Francisco Manuel de Melo, Epanáforas "£ (Ou seja: a pessoa em causa faleceu ao fim de três dias.)

Hipérbole — Consiste no emprego de termos exagerados, para realçar determinada realidade.
6
Está um tempo torvo, gelado. Chove a potes.

Vitorino Nemésio, Corsário das Ilhas

Santa Maria, até se me puseram os cabelos em pé ao eco do nosso brado, ali no meio do ermo!

Aquilino Ribeiro, O Malhadinhas

Nota: A hipérbole é frequente na linguagem falada, em expressões como: "porem-se os cabelos em pé", "não se ver um palmo à frente do nariz", "estar um sol de rachar", etc.

Eufemismo — Consiste em transmitir de forma suavizada uma ideia ou realidade que é considerada violenta ou chocante.

— Coitado quem se vai deste mundo! — suspirou a mulher. — Acendeste a luz às alminhas?

Vitorino Nemésio, A Casa Fechada

Nota: O eufemismo aparece muitas vezes associado à perífrase. (Ver o que se disse nesta última.)

Ironia — Consiste em exprimir uma ideia dizendo precisamente o seu contrário.

— Por entre estas soberbas carroças, Senhor Presidente, vejo eu passar mal arrimados às paredes, e temerosos de serem esmagados, uns homens de aspecto melancólico, e mal entrajados. Nestes cuido eu ver D. João de Castro, que empenhou as barbas (...), e Luís de Camões, que vem de comer as sopas dos frades de S. Domingos. Cada época tem centenares destas ilustres vítimas.
— Vê coisas magníficas!

Camilo, A Queda de um Anjo

Litotes — Consiste numa atenuação de pensamento, para significar mais do que o que se diz, e sugeri-lo assim mais intensamente. A afirmação é feita através da negação do seu contrário.

Já tenho três maços, Mãe, Das cartas que tu me escreves Desde que saí de casa... Três maços — e nada leves!

José Régio

Antítese — Consiste em apresentar um contraste entre duas ideias ou coisas, o qual é posto em grande evidência pela oposição das palavras que designam cada uma dessas ideias ou coisas (relação de contrários).

O esforço é grande e o homem é pequeno.

Fernando Pessoa, Mensagem

Vendo esta velhita, encarquilhada e benta, Toque, toque, toque, que recordação! Minha avó ceguinha se me representa... Tinha eu seis anos, tinha ela oitenta, Quem me fez o berço fez-lhe o seu caixão!...

Guerra Junqueira, Os Simples
Paradoxo — Consiste em aplicar a uma mesma realidade termos inconciliáveis, destacando assim a sua complexidade (relação de contraditórios).

Foste tu que partiste,
— Meu amargo prazer, doce tormento!

Carlos Queirós, Desaparecido

(Estamos em presença de dois paradoxos: amargo prazer - um prazer não é, em princípio, amargo; doce tormento - um tormento não será doce.)

Metonímia — Consiste em designar uma realidade por meio de uma outra que com ela mantém uma relação objectiva.
7
Tem muitas variantes:

• Toma o continente pelo conteúdo:

E ele só bebeu quase toda uma garrafa de chambertin.

Eça de Queirós, Os Maias

(a garrafa em vez do respectivo líquido)

• Emprega a causa pelo efeito, os antecedentes pêlos consequentes, ou vice-versa:

A pálida doença lhe tocava,
Com fria mão, o corpo enfraquecido

Camões, Os Lusíadas, III, 83

(A palidez, assim como a frieza da mão, são causadas pela doença.)

• Emprega o concreto pelo abstracto, ou vice-versa:

O tempo dera-lhes afinal a chave daquela existência, destinada, afinal, mais às provações do sofrimento do que ao gosto das alegrias.

Miguel Torga, Contos da Montanha

(chave em vez de explicação)

Sinédoque — Pode considerar-se um caso particular de metonímia. A atribuição do nome de uma realidade a outra fundamenta-se aqui numa relação essencial e não acidental. Por isso, alguns gramáticos consideram que a relação entre os termos da metonímia é uma relação de coordenação, enquanto na sinédoque é de subordinação.

• Designa uma parte para significar o todo, ou vice-versa:

As armas e os barões assinalados Que da Ocidental praia Lusitana

Camões, Os Lusíadas, l, 1

(praia Lusitana = Portugal)

• Utiliza o singular em vez do plural, ou vice-versa:
Aqui, o pescador vive em barracas de madeira que têm o aspecto de povoações lacustres.

Raul Brandão, Os Pescadores

(pescador em vez de pescadores)

• Nomeia a matéria para significar o objecto:

Manda esquipar batéis, que ir ver queria Os lenhos em que o Gama navegava.

Camões, Os Lusíadas, VII, 73

(lenhos em vez de navios: os navios eram feitos de lenho = madeira)

A antonomásia, que é uma das formas mais conhecidas da sinédoque, substitui o nome próprio por uma característica da pessoa:

Cessem do Sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram

Camões, Os Lusíadas, V, 6

(O Sábio Grego é Ulisses; o Troiano é Eneias.)

Sinestesia — Consiste na fusão de percepções relativas a diferentes sentidos:

(...) água de que se exala um hálito verde envolvido nas ondas.

Raul Brandão, Os Pescadores (sentidos do olfacto [hálito] e da vista [cor verde])
— É noite: e, sob o azul morno e calado,
8
concebem os jasmins e os corações.

Gomes Leal, A Duquesa de Brabante

(sentidos da vista [azul], do gosto [morno] e do ouvido [calado])

Hipálage — Consiste na atribuição a um objecto de uma característica que logicamente pertence a outro com o qual está relacionado.

Ela ficara ajoelhada, imóvel, com os olhos esgaseados para o tapete. Depois, no silêncio estofado da sala, a sua voz ergueu-se dolente e trémula.
(O silêncio existe na sala estofada.)

Eça de Queirós, Os Maias

Queimavam-me a boca palavrões de insulto, de vingança, precisava de vexar aquela tipa, que, de pernacruzada, baforava um fumo feliz.
(Aquela tipa feliz baforava fumo.)

Vergílio Ferreira, Aparição

Zeugma — Consiste numa construção em que a um verbo ou a um adjectivo se ligam duas ou mais palavras que se adaptam de modo diferente a esse verbo ou adjectivo:

(...) As sapatas descalçou e, pondo-as no chão, por dentro d'água entrou e a Jano pelo coração

Bernardim Ribeiro, Écloga II

(...) foi o nosso amigo acometido de uma lesão cardíaca — e de uma ideia.

Machado de Assis

O zeugma é frequentemente utilizado para se obterem efeitos cómicos ou absurdos.

Apóstrofe ou invocação — Consiste na interpelação a alguém ou a alguma coisa personificada. É frequente o recurso ao vocativo acompanhando o discurso directo.

Ó serra das divinas madrugadas, Das estrelas, das nuvens e do vento...

Teixeira de Pascoais, Poesia

Interrogação — É uma figura de estilo quando não pretende obter uma resposta, mas sim tornar mais vivo o pensamento através da expectativa que suscita.

Este inferno de amar — como eu amo!
— Quem mo pôs aqui n'alma.. quem foi?
Esta chama que alenta e consome,
Que é a vida — e que a vida destrói — como é que se veio a atear,
Quando — ai quando se há-de ela apagar?

Almeida Garrett, Folhas Caídas

Exclamação — É uma figura de estilo quando visa dar ênfase e criar um estado mais profundamente emocionado.

Castelos doidos! Tão cedo caístes!...
Onde vamos, alheio o pensamento,
De mãos dadas? Teus olhos, que um momento
Perscrutaram nos meus, como vão tristes!
Camilo Pessanha, Clepsidra

Sem comentários:

Mensagem

http://www.paulacruz.com/bin/documentos/A___mensagem.doc
Loading...

Slideshow - Pessoa

Loading...

Obras de leitura integral - 12º ano

  • Felizmente há luar! Luís de Sttau Monteiro
  • O Memorial do Convento, de José Saramago

Só há ventos favoráveis para quem sabe para onde vai